cnc
sesc
senac

Endividamento das famílias paraenses cresce em janeiro

Home / Notícias / Endividamento das famílias paraenses cresce em janeiro

Endividamento das famílias paraenses cresce em janeiro

31/01/2019 11:49:20

A mais recente Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da Fecomércio PA/CNC, identificou o crescimento da taxa média de famílias endividadas no Pará. Em janeiro de 2018 a taxa de famílias endividadas era de 40,1%, alcançando 52,6% em janeiro em 2019. O aumento no endividamento das famílias paraenses é decorrente da expansão nas compras ao longo do ano passado efetuadas na modalidade a prazo.

Na análise por faixa de renda, a pesquisa observou que os consumidores mais endividados são os situados na faixa de renda superior a 10 salários mínimos (62,5%). Considerando que a taxa de endividamento representa as compras realizadas por parcelamento ou financiamento, compreende-se que as famílias com rendas mais elevada possuem diversas formas de obter mais crédito, tipos diversificados de bandeiras de cartões de crédito e outras disponibilidades de financiamento.

A pesquisa destaca que o mais aconselhável é mensurar a capacidade de endividamento para não comprometer mais de 30% da renda mensal com dívidas parceladas, podendo limitar novas compras e o risco de entrar na faixa de inadimplência. Também foi observado que as famílias com renda de até 10 salários mínimos terão que destinar 28,9% da renda até o mês de maio para o pagamento de suas dívidas. Já as famílias com rendimentos superiores a 10 salários mínimos terão que subtrair 21,3% da renda para arcar com os parcelamentos mensais. Embora ambas as classes de renda se encontrem dentro do considerado prudencial, é importante contabilizar o impacto das parcelas sobre a renda mensal.

Inadimplência

A maior frequência de inadimplentes foi constatada na estratificação dos consumidores com renda de até 10 salários mínimos (28,4%). Para a faixa de renda superior a 10 salários mínimos, a inadimplência em janeiro de 2019 alcançou 15,9%. Em grande parte, isso se deve porque são menores as alternativas dos que detém faixa salarial inferior a 10 salários mínimos para quitarem suas dívidas.

De acordo com a assessora econômica da Fecomércio PA, Lúcia Cristina Lisboa, a negociação com os credores é uma forma para resolver as dificuldades de pagamento de dívidas. "Recomenda-se procurar o credor para novas negociações sempre que houver dificuldades para pagamentos das dívidas em dia, para que não incorram juros sobre juros, multas e todos os demais prejuízos decorrentes da manutenção da situação de inadimplência. Também é intenção dos credores e dos empresários que os consumidores possam estar sempre adimplentes. Essa é a situação ideal tanto para os consumidores quanto para os empresários do comércio" - explicou a economista.

Texto: Adriano Abbade / Cecom Fecomércio PA

Galeria de imagens